Como proceder diante do indeferimento da AFE/AE?

Atualmente é a resolução RDC 17/2013, da Anvisa, a norma que trata dos critérios para peticionamento de Autorização de Funcionamento (AFE) e de Autorização Especial (AE) de farmácias e drogarias, elencando diversos motivos de indeferimento dos pedidos de renovação da AFE/AE, como por exemplo:

  • A não apresentação da licença sanitária ou relatório de inspeção emitidos pela vigilância sanitária local do ano corrente;
  • O protocolo de petição antes de 180 dias ou depois de 60 dias anteriores à data de vencimento da AFE/AE, bem como o não pagamento da taxa da Anvisa em até 30 dias da emissão da GRU (Guia de Recolhimento da União).

Contudo, uma vez indeferido, o que pode a farmácia ou drogaria fazer? A resposta se encontra na própria RDC 17/2013, que apresenta três condutas a serem tomadas pelo agente regulado:

1) O pedido de retificação de publicação
2) O pedido de reconsideração
3) O recurso administrativo

1 – Pedido de retificação de publicação

O Pedido de retificação (art.16) pode ser apresentado em dois casos: quando o erro na publicação do Diário Oficial da União (D.O.U) foi causado pela ANVISA ou quando o erro se deu pela própria empresa – neste caso, haverá a incidência da cobrança de taxa.

2 – Pedido de reconsideração

O Pedido de reconsideração do indeferimento (art. 16) pode ser apresentado para tentar reverter a situação, solicitando que o próprio setor que indeferiu o pedido reanalise os fundamentos de tal rejeição. Deve-se apresentar uma justificativa objetiva e comprovar as alegações, juntando documentos virtualmente.

3 – Recurso administrativo

O recurso administrativo, na minha opinião o melhor a ser feito, possui fundamento no artigo 11 da resolução RDC 17/2013 e remete à Resolução 25/08.

Ele deve ser interposto no prazo de 10 dias das decisões oriundas de análises técnicas da Anvisa e será decidido não pelo próprio setor que deferiu a decisão de indeferimento (como ocorre com o pedido de reconsideração), mas pela Diretoria Colegiada da Anvisa, embora o setor responsável pelo indeferimento possa reconsiderar sua decisão no prazo de 05 dias.

Ao contrário do que ocorre com os pedidos de retificação de publicação e de reconsideração, em relação ao recurso administrativo a situação é mais confortável à empresa, na medida em que a Lei nº 9.782/99 diz claramente no parágrafo 2º de seu artigo 15 que “dos atos praticados pela Agência caberá recurso à Diretoria Colegiada, com efeito suspensivo, como última instância administrativa”.

Assim, enquanto pendente o julgamento do recurso administrativo, deve-se considerar o indeferimento da renovação da AFE/AE como inexistente – situação esta favorável ao estabelecimento farmacêutico.

Gustavo Semblano é advogado e consultor jurídico da ASCOFERJ (Associação do Comércio Farmacêutico do Estado do Rio de Janeiro) e da ANFARMAG -RJ (Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais do Estado do Rio de Janeiro). Atualmente, cursa a pós-graduação em Direito da Farmácia e do Medicamento na Faculdade de Direito de Coimbra (Portugal). 

Fonte: Guia da Farmácia



1 Comentário

  • These days of austerity and relative stress about taking on debt, many people balk up against the idea of making use of a credit card to make acquisition of merchandise and also pay for a trip, preferring, instead just to rely on the particular tried as well as trusted way of making transaction – hard cash. However, in case you have the cash available to make the purchase completely, then, paradoxically, this is the best time for them to use the credit cards for several good reasons.

Deixe uma resposta