Consumo de genéricos para hipertensão cresce 190% em menos de dois anos

Da Redação
O consumo de medicamentos genéricos destinados ao controle da hipertensão arterial cresceu 190% entre janeiro de 2010 e abril de 2013, período em que esses produtos começaram a ser distribuídos gratuitamente pelo programa “Aqui Tem Farmácia Popular”, do Governo Federal. Os dados foram extraídos de levantamento exclusivo produzido pela Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos, a PróGenéricos, com base nos números do IMS Health (instituto que audita o mercado farmacêutico no Brasil e no mundo).

O estudo mostra que o consumo anual dos anti-hipertensivos subiu de 41,1 milhões para 119 milhões de unidades, atribuindo aos medicamentos para controle da pressão arterial 16,57% de participação de mercado nas vendas de genéricos.

Entre os produtos para hipertensão distribuídos gratuitamente pelo Farmácia Popular estão o Atenolol, Captopril, Propranolol, Hidroclorotiazida, Losartan Potássico e Maleato de Enalapril. Se juntos respondem por 16,57% das vendas do setor, o destaque fica para o Losartan Potássico, que responde sozinho por 5,58% das vendas de genéricos no Brasil, seguido do Atenolol com 3,39%, Hidroclorotiazida com 2,59%, Maleato de Enalapril com 2,45%, Captopril com 1,47% e Propranolol com 1,08%.

De acordo com a presidente da entidade, Telma Salles, trata-se, sem dúvida, do maior crescimento isolado já registrado em uma categoria de medicamentos na história do programa brasileiro de genéricos. Presentes nas farmácias desde meados de 2000, os genéricos constituem-se hoje no maior instrumento de acesso ao mercado farmacêutico. “Os genéricos são uma conquista para a saúde pública brasileira, pois vêm permitindo que cada vez mais pessoas possam comprar seus medicamentos por meio de produtos que reúnem atributos como preço baixo e qualidade”, afirma Salles.

Ainda de acordo com Salles, os genéricos são essenciais para a viabilização do programa Farmácia Popular. “O genérico oferece total segurança para o governo, classe médica e pacientes, pois é a única categoria intercambiável por Lei, ou seja, pode substituir os medicamentos de marca prescritos nas receitas. Os usuários do Farmácia Popular podem se medicar com a garantia de que estão se tratando com um produto de qualidade e, ainda, gratuito”, explica.

A executiva lembra que produtos para o controle do Diabetes também são dispensados de forma gratuita pelo programa. “O Farmácia Popular é uma excelente iniciativa do governo, pois é focado em doenças com grande prevalência”, diz. Um em cada três adultos sofre de hipertensão arterial, ou pressão alta, uma condição que causa cerca de metade de todas as mortes por derrame e problemas cardíacos no mundo, de acordo com dados da OMS. No Brasil, os dados mais recentes são da pesquisa Vigitel, feita por telefone nas 26 capitais e no Distrito Federal. Segundo o levantamento, 22,7% dos adultos do país têm hipertensão, enquanto o diabetes atinge 5,6%.

Fonte: Conteúdo Comunicação



Deixe uma resposta