Encontro Febrafar – além da compra coletiva

Mais do que uma um encontro de negócios, o 2º Encontro Febrafar foi um evento pensado para quebrar paradigmas, um deles é a ideia de que o associativismo farmacêutico está apenas ligado a compra coletiva de medicamentos.

É claro que o maior poder de negociação comprando em grupo é relevante, mas, existem pontos de igual importância e que fazem com que grande parte das redes ligadas a Federação obtenham um crescimento acima do mercado.

Logo no início do primeiro dia o presidente da Febrafar, Edison Tamascia, já avisou: ”Temos que constantemente olhar para o mercado e avaliar nossas ações, refletindo sobre os rumos do modelo que criamos, para saber se caminho é esse ou se é necessário reposicionamento”.

Assembleia e jantar

A importância do encontro já foi comprovada logo no primeiro dia, com o comparecimento de todas as redes da associação. Na ocasião ocorreu a assembleia, que aprovou a entrada de mais uma rede, a Farmaestra, da região de Valinhos. Também foi comunicada a entrada de doze novas sócias honorárias e a saída de três.

A diretora comercial da Febrafar, Karen Corridoni explicou que são muitas as empresas que procuram a Febrafar para ser tornarem sócias honorárias, mas, nem sempre é possível a adesão. “Fazemos uma análise para que só as que tenham sinergia com nosso modelo participem”.

Alefotógrafo - https://alefotografo.pixieset.com/?t=encontro
Karen Corridoni – Foto – Alefotógrafo – https://alefotografo.pixieset.com/?t=encontro

Corridoni também reforçou a importância da utilização pelas redes associadas da Extranet, que foi recentemente desenvolvida, pois é lá que são encontradas as promoções, PBM’s, agendas de eventos e documentos importantes.

Na sequência ocorreram apresentações da Santa Cruz, Hyperfarma, Profarma e Grupo Drogacenter e período da noite um jantar patrocinado pela Hyperfarma/Neoquimica, na Pizzaria Leona.

Encontro de negócios

No segundo dia ocorreu o já tradicional encontro de negócios, que aproximou todas as redes com as 115 sócias honorárias, sendo 63 indústrias, 38 distribuidores e 14 prestadores de serviços. Em um espaço especialmente preparado no Hotel Bourbon Ibirapuera, cada rede tinha uma mesa na qual recebeu representantes do mercado para alinhar estratégias de negócios.

Alefotógrafo - https://alefotografo.pixieset.com/?t=encontro
Alefotógrafo – https://alefotografo.pixieset.com/?t=encontro

“O Encontro de negócios que realizamos tem uma característica diferente, pois o foco não é o fechamento direto dos negócios, mas sim alinhamentos de estratégias das empresas com as redes para que essas possam levar as melhores oportunidades para suas farmácias”, explicou José Abud Neto.

A movimentação foi intensa no decorrer do dia, ocorrendo tudo dentro de um clima de muita alegria e confraternização. “Temos observado anualmente a tomada de força da Febrafar e isso é comprovado no evento, o que é muito gratificante”, comentos José Lúcio Alves, vice-presidente da Febrafar.

Conhecimento estratégico

O último dia do evento foi marcado pela grande troca de informações e conhecimentos, tendo iniciado com uma apresentação comercial da Panpharma. Logo na sequência foi a vez do palestrante Adir Ribeiro, presidente e fundador da Praxis Business e especialista em franchising e varejo, apresentar importantes reflexões para o público.

Alefotógrafo - https://alefotografo.pixieset.com/?t=encontro
Alefotógrafo – https://alefotografo.pixieset.com/?t=encontro

Um dos pontos reforçado por Adir Ribeiro é a necessidade de que franquiados ou proprietários de farmácias se tornem efetivamente empresários, para tanto foi passado um panorama do mundo atual e seu impacto no varejo. Um mundo segundo o palestrante ‘fisital’, ou seja, que mistura experiências do físico com o digital.

Mas, a principal mensagem passada foi a da necessidade do empreendedor buscar o autoconhecimento, entendendo suas principais características e aprimorando as deficiências. “Empreender é lutar todo dia contra sua zona de conforto, não adianta acreditar em melhores resultados se não forem pensadas e aplicadas novas ideias”, finalizou Adir Ribeiro.

Pesquisa e estratégia

Finalizando o evento, o presidente da Febrafar, fez uma contundente apresentação, na qual apresentou possíveis e importantes mudanças que devem ocorrer nos próximos anos, muitas dessas que estão além da ‘linha de visibilidade’ dos empresários. O que faz com que sejam necessárias mudanças das redes para que elas se fortaleçam.

Alefotógrafo - https://alefotografo.pixieset.com/?t=encontro
Edison Tamascia – Alefotógrafo – https://alefotografo.pixieset.com/?t=encontro

“É preciso entender que o associativismo tem muito mais a oferecer do que a compra coletiva e é isso que fará com que as redes se fortaleçam no futuro. A Febrafar tem constantemente desenvolvido ferramentas que são diferenciais para as redes no mercado, porém, em muitos casos essas poderiam ser melhor utilizadas”, alertou Tamascia.

Um exemplo é o modelo de cartão fidelidade da Febrafar, que não é fácil ser copiado. Com base em estudo e pesquisa realizados pelo Instituto Febrafar de Pesquisa e Educação Continuada (IFEPEC) o programa de fidelidade é o melhor caminho para retenção de clientes e, consequentemente, de associados para as redes.

Além disso, a pesquisa Opinião dos Consumidores sobre Programas de Fidelidade, apresentada com exclusividade, mostrou que 68% das pessoas não participam de nenhum programa de fidelidade, mas que 92% dizem que gostariam de participar. O que mostra um campo imenso a ser trabalhado, sendo que o programa de farmácias é o segundo mais desejado.

Os números mostram que as redes da Febrafar ainda têm muito a evoluir. Atualmente, o Programa de Fidelidade PEC está implementado em 44% (3.235) do universo das farmácias das redes associadas, atingindo atualmente mais de 9 milhões de clientes cadastrados. Entretanto, o mais interessante é que o ticket médio nas lojas que utilizam o programa é 35% maior de que o ticket médio demonstrado pelo Painel de Aferição de Indicadores (PAI).

“A principal mensagem é que se não evoluirmos em alguns pontos, não adianta jogar a culpa no outro. A responsabilidade é nossa, podemos ser melhores do que somos, para tanto é fundamental que todos caminhemos juntos, reforçando o espírito coletivo”, finalizou Tamascia.