Febrafar e Abimip se reúnem para alinhar parceiras

abimip
Alinhamento entre Abimip e Febrafar é de grande relevância, pois, os MIP’s representam cerca de 30% de todos os medicamentos vendidos no Brasil.

Publicado em 08/12/2016

No último dia 7 de dezembro, a diretoria da Associação Brasileira da Indústria de Medicamentos Isentos de Prescrição (Abimip) esteve na sede da Febrafar, em uma reunião para debater alinhamento de parcerias e ações conjuntas no futuro.

Segundo Carlos Cesar Bentim, Healthcare Executive da associação, a procura pela Febrafar se deve à expressividade que a federação possui hoje no mercado, pois faz parte do planejamento estratégico identificar parceiros que possam ajudar a levar adiante a missão.

“A Febrafar se constitui como um importante ator do varejo brasileiro, sendo responsável por significativa parcela dos consumidores atendidos todos os dias em nosso país, em suas mais de nove mil farmácias associadas. Nossa impressão ao longo do encontro não poderia ter sido melhor; o comprometimento e a qualidade que vimos em cada iniciativa da entidade nos anima para darmos sequência em novos projetos que possamos ‘abraçar’ juntos”, explica Cesar Bentim.

Para a Febrafar, esse emparceiramento também se mostra de grande relevância, uma vez que um dos principais objetivos é o de realizar a aproximação das redes associadas com as indústrias, proporcionando benefícios a toda a cadeia.

“Os Medicamentos Isentos de Prescrição (MIP’s) representam uma parcela muito expressiva dos produtos vendidos pelas farmácias, assim, sempre acredito que podemos buscar garantir um melhor relacionamento, proporcionando mais negócios e crescimento de mercado”, conta Edison Tamascia, presidente da Febrafar.

Importância dos MIP’s

Os MIP’s representam cerca de 30% de todos os medicamentos vendidos no Brasil. Entretanto, em termos de números e importância dentro da indústria, esse mercado está crescendo com consistência. Mas o mais importante é o aspecto qualitativo; dentre os diversos “stakeholders”, cresce o conhecimento sobre este segmento, afastando mal-entendidos sobre o real papel dessa categoria de medicamentos em nosso país.

Mais do que a representatividade de mercado, essa classe de medicamento contribui muito para que a população brasileira tenha acesso rápido e seguro a medicamentos indicados para os males menores, que podem ser resolvidos sem necessariamente ter uma prescrição médica.

“As oportunidades desse mercado são expressivas. Em agosto deste ano, a Anvisa aprovou uma lei que deixam claras as regras para que um medicamento possa ser vendido sem prescrição médica. Apenas com essa iniciativa, deveremos ter um aumento no número de moléculas que serão livres de prescrição, revelando mais um aumento da representatividade dos MIP’s no mercado brasileiro”, explica o Healthcare Executive da Abimip.

Ele complementa que a exposição dos MIP’s está em franco desenvolvimento. “É verdade que há espaço para melhoria e a ferramenta que enxergamos para isso é o GC (gerenciamento de categoria), que melhora a experiência de compra dos consumidores nas farmácias, fazendo com que possam encontrar seus produtos de preferência com maior facilidade. E no aspecto de gestão de categoria, a Febrafar e a Abimip já trabalharam juntas, quando apoiamos a realização dos manuais de GC, desenvolvidos pela ESPM e lançados no mês passado, em São Paulo”.

Com base na reunião, ficou definido que serão realizadas reuniões de trabalho para traçar os próximos passos. Além dos presidentes das associações, também participaram do evento o presidente da divisão farma da Hypermarcas, Eduardo Violland, o VP Consumer Healthcare da Sanofi, Fábio Barone, a vice-presidente executiva da ABIMIP, Marli Martins, o diretor geral da Farmarcas, Paulo Roberto Costa, o diretor de operações da Febrafar, Ney Henrique Arruda Santos, e o diretor de operações da Farmarcas, Ângelo Vieira.

Com informações da Assessoria de Imprensa da Febrafar



Deixe uma resposta