Veja perspectivas para o mercado farmacêutico em 2017

mercado farmacêutico
Mercado farmacêutico tem ainda muito o que crescer no país, sendo que, por ser um produto de primeira importância, é pouco afetado pelos ânimos da economia.

Publicado em 13/12/2016
As farmácias filiadas à Federação Brasileira das Redes Associativas de Farmácias (Febrafar) passam por um momento muito especial, com crescimento maior do que o mercado em geral em relação as demais farmácias. Em número de lojas, essas redes já somam cerca de 9.700 em todo país, representado 12% de todo o mercado.

Em relação às vendas, o número varia em cada rede associada à Febrafar. Entretanto, segundo o presidente da Febrafar, Edison Tamascia, as projeções são muito animadoras. Posso afirmar que fecharemos 2016 de forma positiva, com o crescimento acima da inflação. Para se ter ideia, o número de medicamentos a serem vendidos deverá ter uma alta de cerca de 5% em média, considerando o número de unidades, o que é muito bom”, explica.

A principal lição que a Febrafar tem divulgado aos associados em relação a 2016 é da necessidade de modernização das farmácias e capacitação dos gestores. Para tanto, a associação priorizou o fornecimento de novas ferramentas e de cursos para capacitação dos parceiros.

Projeções para 2017

Para 2017, Tamascia projeta a continuidade do crescimento, mesmo perante o cenário de crise que o país passa. “Com base em dados de análises de mercado, vemos que o setor farmacêutico tem ainda muito o que crescer no país. E como é um produto de primeira importância, ele é pouco afetado pelos ânimos da economia. Assim, para as farmácias que possuem planejamento, o crescimento é praticamente certo”, explica.

Esse fato faz com que a expectativa seja de que as redes e farmácias ligadas à Febrafar também cresçam. O ritmo de adesão ao associativismo é grande, além disso, boa parte dos donos de farmácias ligadas à Febrafar estão abrindo novas lojas. “Observo que a grande maioria das redes possuem projetos de expansão. Cito o exemplo das redes ligadas à administradora Farmarcas, que possuem atualmente pouco menos de 600 lojas e pretendem atingir 1.000 em meados de 2018. São muitos os diferenciais das lojas ligadas ao associativismo, sendo que a junção de várias empresas em torno de um objetivo comum aumenta a possiblidade de êxito”, complementa o presidente da Febrafar.

Dentre os benefícios de se ligar ao associativismo, ele cita o fato de esses empresários passarem a conviver de uma forma mais efetiva e afetiva entre si, uma vez que eram, até então, concorrentes, o que faz com que sejam mais empreendedores.

Outro ponto importante é que essas empresas unem forças para comprar em conjunto, possuem ações de marketing compartilhadas e administração profissionalizada, dentre outros aspectos que só são possíveis de realizar de forma coletiva. “Ao participar de uma associação, a empresa se torna mais competitiva”, conta Tamascia.

Desafios existem

Há também riscos para o mercado farmacêutico. Edison conta que, por muito tempo, um dos principais desafios das farmácias eram questões regulatórias; contudo, ele observa que essa preocupação, nos próximos anos, será mais para indústrias.

“Para as farmácias, com certeza, um grande desafio continuará sendo relativo à questão tributária, que é muito complexa e que proporciona um custo muito alto, basta ver os casos de substituição tributária. Infelizmente, a solução para minimizar esse problema seria uma reforma tributária, o que não há perspectivas de ser feito”, finaliza.

Com informações da Assessoria de Comunicação da Febrafar



Deixe uma resposta