União Química estreia em defensivo biológico e reforça saúde animal

Da Redação

A farmacêutica nacional União Química adquiriu a empresa Bthek, especializada em biotecnologia voltada para o controle de pragas agrícolas, e decidiu reforçar seu portfólio em saúde animal. Com forte posição em contraceptivos, remédios similares (genéricos de marca) e Mips (Medicamentos Isentos de Prescrição), cujo carro-chefe é o produto Vodol, o laboratório não quer mudar seu foco de atuação, apenas pretende aumentar sua cesta de produtos, com ênfase em saúde animal.

A empresa recém-comprada marca a entrada da farmacêutica em defensivos agrícolas, voltados para o controle de pragas com produtos biológicos. Criada por ex-pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a empresa nascente já possui produtos com registros na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que serão lançados nos próximos meses, disse Fernando de Castro Marques, presidente do grupo.

A estratégia da companhia é diversificar seus negócios, sem perder o foco em medicamentos. A decisão de entrar no mercado de defensivos agrícolas reflete o bom momento do agronegócio brasileiro – esse segmento movimenta no país cerca de R$ 7 bilhões por ano. A área de inseticidas, na qual a União Química faz suas apostas, gera vendas anuais de R$ 1 bilhão.

Com três fábricas em operação, o grupo trabalha para expandir sua participação em saúde animal. Em seu pipeline estão em desenvolvimento medicamentos voltados para animais de pequeno porte, como cães e gatos, além de produção de hormônio para rebanho leiteiro. A União Química vai lançar antidepressivo para o segmento pet. Segundo Miguel Giudicissi Filho, diretor médico do grupo, a empresa vai adaptar remédios humanos na dosagem adequada para animais, com estudos clínicos realizados. Outro futuro lançamento será um remédio para hipertensão para animais.

A entrada do grupo em saúde animal ocorreu em 2010, com a compra da Tecnopec, voltada para reprodução e hormônios. A farmacêutica fechou recentemente parceria com uma multinacional para produzir o hormônio natural BST/BGH para rebanho leiteiro, com apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). Segundo Marques, a aplicação desse produto em vacas em lactação aumenta entre 25% e 30% a produção leiteira. “A patente desse produto expirou. Adquirimos a tecnologia e vamos começar a produzir no Brasil com preços mais baixos”, afirmou.

Cada ampola, que tem de ser aplicada duas vezes por mês, custa R$ 14. “Vamos comercializar por cerca de R$ 20, as duas”, disse. “A expectativa é de que a divisão animal do grupo – a Agener – represente 20% do faturamento. Os outros 80% continuam com saúde humana”, disse o empresário. “Desde 2008, dobramos o faturamento. Devemos encerrar 2012 com R$ 600 milhões e projetamos atingir R$ 740 milhões em 2013.”

Em saúde humana, os planos da União Química – que faz parte da Bionovis (uma das superfarmacêuticas voltadas para biológicos) – são reforçar as parcerias estratégicas. “Fizemos acordo com a francesa Théa em oftalmologia, com dois produtos e lançaremos mais sete nos próximos meses”, afirmou o empresário, que também tem participação acionária na Biolab.
Fonte: Valor Econômico



Deixe uma resposta