Reajuste de medicamentos não causa impacto na inflação de 2014

Da Redação
O reajuste no preço dos medicamentos, que entrou em vigor em 31 de março, vem dentro do esperado pelo mercado e não deve gerar grande impacto no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA) deste ano. Outros reajustes, como de ônibus urbanos, energia elétrica e gasolina, no entanto, jogam a expectativa de inflação do mercado para cima.

Indústrias farmacêuticas e distribuidoras podem adotar o reajuste de até 5,68% nos preços de medicamentos regulados pelo governo. De acordo com o Ministério da Saúde, a regulação é válida para mais de 09 mil medicamentos, mais de 40% deles na categoria nível três – de menor concorrência, cujas fábricas só poderão ajustar o preço teto em 1,02%.

A Tendências Consultoria, levando em conta a intensa concorrência da indústria farmacêutica, calcula um reajuste médio de 3,5% nos medicamentos. O aumento anunciado era o esperado pela consultoria, que considera um impacto de 0,11 ponto percentual no IPCA a partir da média.

“O aumento no preço dos medicamentos não vai promover nenhuma mudança na expectativa da inflação anual”, analisa Alessandra Ribeiro, economista e sócia da Tendências Consultoria. Ela reforçou a alta na inflação do primeiro trimestre, acima do esperado, devido à contribuição dos alimentos, passagem aérea e serviços.
Fonte: JB Online



Deixe uma resposta